CO-CREATING THE FUTURE

Na parte três de nossa série Ajudando a Criar o Futuro com a GE Digital, tratamos de como os fabricantes podem transformar dados em descobertas graças à tomada de decisões otimizada e automatizada.

Na segunda parte da nossa série Ajudando a Criar o Futuro com a GE Digital, tratamos dos benefícios da mudança do papel para os dados. Mas apenas coletar dados não é suficiente. É somente por meio da análise inteligente de dados, insights e ações que os fabricantes podem melhorar completamente a eficiência e tornar a produção mais transparente.

As análises de dados na produção tradicionalmente sempre foram reservadas para a cúpula gestora. Ao longo de semanas ou meses, insights e decisões geralmente são filtradas para cada departamento, até o chão de fábrica, onde os dados são originados. Portanto, sem um circuito de retorno, a gestão com frequência não sabe se essas mudanças foram bem-sucedidas ou mesmo se elas foram implementadas.

“A ditigalização da produção muda isso”, diz Josh Bloom, Vice-Presidente de Dados & Analítica da GE Digital. “Para os colaboradores, ter acesso a dados em tempo real significa que eles poderão ser responsabilizados pelo trabalho que fazem e mais facilmente levantar problemas e sugerir ideias. Para a gestão, ser capaz de ver os dados agregados de muitas fábricas em um único painel – talvez até mesmo fundidos aos dados financeiros e de marketing – dá a ela o poder de gerenciar as tendências e os desvios.”

O passo seguinte, Segundo Bloom, é usar a Inteligência Artificial (IA) e o aprendizado de máquina para ajudar a automatizar esse processo de tomada de decisões. Como o software pode ser ensinado sobre quais condições são favoráveis, ele pode recomendar certas respostas ou prever consequências para o chão de fábrica, antes que elas tenham de ser levadas ao conhecimento da cúpula gestora.

É esse tipo de desempenho orientado por dados que a SIG e a GE Digital viabilizarão juntas – usando os aplicativos industriais da GE Digital chamados Predix Asset Performance Management (APM) e Predix ServiceMax, para transformar dados em descobertas. Isso significa fornecer aos operadores as informações de que eles precisam para manter o equipamento industrial, equilibrando ao mesmo tempo os custos de manutenção, riscos, vida útil dos ativos e fatores externos. E isso está sendo apoiado pela gestão de serviços de campo, que despacha os engenheiros certos para o trabalho certo na hora certa.

Otimizando máquinas e fluxos de trabalho

Essa maneira de processar dados será exclusiva dos clientes da SIG, uma vez que os aplicativos  Predix APM e Predix ServiceMax da GE Digital nunca foram integrados antes. O Predix APM é projetado para capturar a analisar dados – tanto em tempo real como historicamente -, tendo em vista a otimização dos ativos operacionais. O Predix ServiceMax, por sua vez, é projetado para otimizar as equipes que mantêm esses ativos, usando dados baseados na nuvem da computação, e programado para melhorar os fluxos de trabalho, taxas de primeira correção, produtividade dos serviços de campo e satisfação do cliente.

“Ao unirmos desses dois aplicativos industriais pela primeira vez, poderemos otimizar as máquinas e também as equipes que as mantêm”, explica Scott Berg, CEO do ServiceMax na GE Digital. “Isso permitirá à SIG criar novos modelos de negócios – como a servitisation – e aos clientes da SIG, melhorar sua produtividade e competitividade.”

Os serviços são uma parte fundamental dos negócios da SIG e ajudam a explicar porque sua participação de mercado vem crescendo ano a ano nas duas últimas décadas. Mas melhorar a qualidade dos serviços também significa otimizar ineficiências, e é por isso que a SIG considera os serviços digitais  uma prioridade fundamental.

“Queríamos nos afastar da manutenção preventiva e preditiva”, diz Christian Alt, Diretor de Desenvolvimento Corporativo e Transformação Digital da SIG. “É por isso que buscamos um parceiro que não oferecesse apenas Gerenciamento de Desempenho de Ativos ou Gerenciamento de Serviços de Campo, e sim uma solução integrada – que encontramos nas análises preditivas da GE Digital e na experiência de aprendizado de máquina.”

Para descobrir para onde os fabricantes podem ir além da otimização do desempenho, não perca a quarta parte de nossa série Ajudando a Criar o Futuro, onde discutiremos o estágio final da transformação digital – o uso da previsão inteligente.

Quer saber mais sobre a parceria da SIG com a GE Digital? Contate-nos agora ou saiba mais sobre as soluções de Fábrica Inteligente da SIG.

SIGnals

Postado por SIGnals

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *