Com a próxima revolução industrial já entre nós, examinamos algumas de suas principais tendências e o que elas realmente significam para os fabricantes.

Indústria 4.0 é o nome com que a próxima revolução industrial está sendo chamada, com muitos analistas prevendo que a digitalização da produção vai revolucionar a maneira como os bens são processados e produzidos. A firma global de consultoria PwC pesquisou mais de 2.000 ‘primeiros aderentes’ de nove grandes setores industriais, para descobrir como eles abordam a Indústria 4.0. Eis as quatro principais constatações:

1. A digitalização levará saltos quânticos de desempenho

As melhorias de desempenho serão obtidas com iniciativas de produção inteligente, como o planejamento integrado, sincronização e manutenção preventiva. Isso porque as máquinas inteligentes estão permanentemente disponíveis, sem interrupção. Elas podem identificar e informar quando precisam ser atendidas ou terem peças substituídas. Para os prestadores de serviços, isso significa que reparos não programados poderão ser substituídos pela manutenção preventiva, ajudando as empresas a melhorar sua linha superior e sua linha final do balanço. Os participantes da pesquisa da PwC disseram  acreditar que as receitas anuais crescerão 2,9% nos próximos cinco anos e os custos cairão em 3,6%.

2. Os clientes promoverão uma mudança nas cadeias de valor, produção e serviços

Os clientes estarão no centro da Indústria 4.0, com a customização dos produtos e serviços às necessidades individuais. Isso significa inserir nas embalagens códigos que rastreiam os produtos desde a fazenda até a mesa dos consumidores, ajudando estes a se conectarem com as marcas. As informações recolhidas nesses encontros digitais poderão então ser usadas para melhorar as relações com os clientes e entender como eles consomem os produtos. Institutos de pesquisas também estão trabalhando na integração da tecnologia da Internet das Coisas (IoT) para as embalagens a sensores integrados que registram e monitoram as condições dos conteúdos, como temperatura, humidade atmosférica e pressão, além da qualidade e origem dos ingredientes.

3. A construção de fábricas inteligentes exigirá mudanças significativas

Criar uma fábrica inteligente não significa apenas acrescentar softwares. As companhias precisam desenvolver novas estruturas organizacionais que tenham a análise de dados como uma prioridade. Metade das empresas consultadas pela PwC já estabeleceram funções dedicadas de análises de dados dentro de suas organizações. Outras 38% dependem apenas das capacidades específicas de seus colaboradores, enquanto 9% não possuem nenhuma capacidade significativa. As mudanças organizacionais são uma das mudanças inevitáveis da Indústria 4.0, devido aos seus potenciais efeitos sobre a cultura das empresas, a liderança e a infraestrutura.

4. As indústrias estão prontas para investir em digitalização

A Indústria 4.0 passou de uma frase de efeito a uma prioridade em poucos anos. Em média, os participantes da pesquisa da PwC  disseram esperar mais que dobrar seus níveis de digitalização até 2020, e quase 75% disseram esperar ter “processos de cadeia de valor altamente digitalizados, horizontal e verticalmente”, implementados em cinco anos. Os investimentos na Indústria 4.0 são significativos mas valerão a pena. Mais da metade dos participantes da pesquisa da PwC disseram que seus investimentos deverão apresentar um retorno em dois anos ou menos.

Pronto para a próxima revolução industrial?

A Indústria 4.0 pode oferecer grandes aprimoramentos para a sua companhia, mas a mudanças ocorrem gradualmente. Projetos-piloto, novos acordos de serviços e a implementação de características como o ‘track-and-trace’ (rastreamento), são pequenos passos que podem levar a melhorias significativas de eficiência. Comece hoje mesmo sua transição para a Indústria 4.0. Contate-nos agora ou saiba mais sobre as fábricas inteligentes aqui.

SIGnals

Postado por SIGnals

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *