A Science Based Targets initiative (SBTi) aprovou as metas de redução de emissões da SIG, colocando a companhia num grupo de elite de empresas globais comprometidas em enfrentar a questão das mudanças climáticas

A Science Based Targets Initiative (SBTi) é uma colaboração entre o Pacto Global das Nações Unidas e organizações ambientais como o Carbon Disclosure Project (CDP), o World Wildlife Fund (WWF) e o World Resources Institute (WRI). Todos eles estão unidos no objetivo de ajudar os governos, empresas e organizações civis a lutar contra as mudanças climáticas. A iniciativa visa manter o aquecimento global em no máximo 2°C acima dos níveis pré-industriais, contribuindo para as ciências climáticas e o chamado Acordo de Paris de 2015.

Para alcançar isso a SBTi está ajudando empresas a determinar em quanto elas deveriam reduzir suas emissões de gases do efeito estufa. A iniciativa, que poderá se tornar uma prática padrão das empresas até 2020, faz uma avaliação independente dessas metas. E se elas se mostram de acordo com o nível exigido definido pelo Painel Intergovernamental sobre as Ações Climáticas da ONU, a SBTi as aprova oficialmente.

Como definir uma meta

As metas aprovadas pela SIG são ambiciosas. Então, como elas foram definidas? Com base na sua experiência com as avaliações de ciclo de vida e suas divulgações de emissões corporativas, a SIG desenvolveu um inventário completo de todas as emissões relevantes dos gases do efeito estufa dentro de sua cadeia de valor. Uma primeira estimativa das emissões totais dos gases do efeito estufa foi publicada no Relatório de Responsabilidade Corporativa de 2016 da companhia. Desde então, o inventário foi depurado e recalculado e o resultado é uma base comum à qual todas as metas de redução estão relacionadas. Leia mais sobre as metas de pegada de carbono da SIG.

Na análise das emissões da companhia, o Greenhouse Gas Protocol considera três diferentes categorias: escopo 1, 2 e 3. As emissões de Escopo 1 são diretamente ligadas a uma companhia, como as emissões decorrentes da queima de combustíveis fósseis em suas operações ou veículos. As emissões de Escopo 2 são emissões indiretas ligas à produção de eletricidade.

A maior e mais diversificada categoria é o Escopo 3. Ela cobre um grande número de áreas que vão de viagens de negócios, transporte de funcionários, produtos e bens de capital adquiridos, ao processamento, uso dos produtos vendidos e tratamento dos produtos vendidos no fim de suas vidas úteis. As emissões dessa categoria geralmente são muito maiores que as emissões relacionadas aos escopos 1 e 2. É por isso que ela é tida como o grupo de elevado potencial de reduções e é sempre observada mais de perto.

Metas a serem cumpridas

Com sua linha de partida estabelecida em 2016, a SIG colocou na mesa alguns números bastante fundamentados mas audaciosos. A companhia se comprometeu em reduzir suas emissões de gases do efeito estufa dos escopos 1 e 2 em 50% até 2030, e em 60% até 2040. A SIG também prometeu cortar as emissões dos gases do efeito estufa por litro envasado em 25% até 2030. Esta última proposta inclui as áreas que contribuem com as maiores emissões, como bens e serviços adquiridos, o uso de produtos vendidos e o tratamento no fim da vida útil.

Segundo o Dr Christian Bauer, gerente de assuntos ambientais e sustentabilidade relacionada a produtos da SIG:

“Esse é um marco importante no desenvolvimento de medidas sólidas e adequadas para a nossa pegada ambiental, que também podemos usar como uma referência fundamental para contextualizar todos os benefícios de carbono que criamos fora de nossa cadeia de valor – seja o cultivo de florestas que fornecem nossas matérias-primas ou a vantagem de carbono comprovada que proporcionamos com nossa solução de embalagem sustentável”.

Essa atividade está inserida na estratégia WAY BEYOND GOOD da SIG, que visa assegurar que a companhia está devolvendo para a sociedade e o meio ambiente mais do que tira deles, para se tornar, assim, uma empresa de impacto positivo.

“Ao estabelecer uma meta com base científica, a SIG se antecipa na transição para a economia de baixo carbono e faz sua parte no enfrentamento das mudanças climáticas”, afirma Alexander Liedke, Gerente de Negócios Sustentáveis & Mercados do WWF na Alemanha e membro da comissão diretora da SBTi.

“Enquanto companhia de embalagens, eles têm um papel importante nas cadeias de fornecimento globais e podem apoiar seus clientes com suas próprias metas de redução das emissões de carbono – algo que grandes compradores estão priorizando cada vez mais. Cumprimentamos a SIG por ser uma líder em sustentabilidade em seu setor.”

Quer saber mais sobre as estratégias de responsabilidade corporativa da SIG? Contate-nos agora ou informe-se mais sobre nossa estratégia WAY BEYOND GOOD.

SIGnals

Postado por SIGnals

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *